NBC TG 46: Entenda de forma detalhada a Mensuração do Valor Justo

A mensuração do valor justo é o preço que seria recebido pela venda de um ativo ou que seria pago pela transferência de um passivo em uma transação entre participantes do mercado. Ou seja, se trata de uma avaliação baseada no mercado e não em critérios definidos pela entidade.

Entre as principais aplicações do valor justo estão títulos e valores imobiliários, derivativos, combinações de negócios, teste de Impairment, reconhecimento de receitas, propriedades para investimento e ativos biológicos.

Vale lembrar que essa mensuração é feita para um ativo ou passivo em particular, já que o processo leva em consideração características específicas, como estado de conservação, localização, restrições para uso ou venda.

Para definir o Valor Justo são usados dados como cotações de ativos/passivos semelhantes ou dados históricos. É importante que o modo com que ele foi determinado seja esclarecido por meio de notas explicativas.

Métodos

 Os três métodos para se determinar o Valor Justo são:

  • Abordagem de Mercado: Essa forma de calcular o Valor Justo utiliza preços que foram observados e outras informações relevantes ao produto, em transações no mercado que envolvem ativos ou passivos considerados semelhantes;
  • Abordagem de Receita: Essa técnica também é conhecida por Fluxo de Caixa Descontado e mensura montantes futuros em um valor presente mediante à uma taxa de desconto;
  • Abordagem de Custo: a técnica também é conhecida por Fluxo de Caixa Descontado e mensura montantes futuros em um valor presente mediante à uma taxa de desconto.

De acordo com o CPC 46, a entidade deve utilizar técnicas de avaliação que “sejam apropriadas nas circunstâncias e para as quais haja dados suficientes disponíveis para mensurar o valor justo, maximizando o uso de dados observáveis relevantes e minimizando o uso de dados não observáveis.” 

Parâmetros para análise

Existem três níveis de classificação para fins de divulgação do resultado:

  • Informações de Nível 1: são preços cotados (não ajustados) em mercados ativos para ativos ou passivos idênticos que a entidade possa ter acesso na data de mensuração.
  •  Informações de Nível 2: são informações que são observáveis para o ativo ou passivo, seja direta ou indiretamente, exceto preços cotados incluídos no Nível 1.
  •  Informações (inputs) de Nível 3: são dados não observáveis para o ativo ou passivo. 

Os níveis variam em função de técnicas de avaliação utilizadas, números de variáveis analisadas e dados de entrada utilizadas no modelo. Ou seja, eles têm como objetivo aumentar a consistência e a comparabilidade das mensurações do Valor Justo nas divulgações.

Dificuldades de avaliação

A maior dificuldade é avaliar corretamente as premissas adequadas para um determinado ativo ou passivo, e definir com base no mercado, o valor justo correto do patrimônio. Além disso, no cálculo do valor justo, há muitos critérios subjetivos a serem analisados como: avanço tecnológico, aceitação do mercado, entre outros.

O valor justo é um valor que reflete um ativo em um momento específico, podendo haver mudanças em um período curto de tempo.

Sendo assim, um dos erros mais comuns é que os profissionais envolvidos façam um julgamento correto, utilizando premissas confiáveis para o cálculo do valor justo.

Por isso, dado que pode acarretar em mudanças no resultado da empresa, é recomendado terceirizar esse serviço a especialistas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *